Estar preparado para lidar com dificuldades e incertezas é essencial para ter uma boa relação com o dinheiro. No contexto pessoal e familiar, por exemplo, você precisa compreender o conceito de risco financeiro e como gerenciá-lo. 

Afinal, a falta de controle dessa situação pode afetar o alcance dos seus objetivos de curto, médio e longo prazo. Por outro lado, mitigar o risco de perdas ou de não obter o resultado financeiro esperado se relaciona à sua segurança e da sua família. 

Pensando nisso, trouxe este artigo com as principais informações sobre o gerenciamento de risco financeiro. Continue a leitura e veja como fazer! 

O que é risco financeiro? 

risco financeiro está relacionado à possibilidade de ocorrerem perdas financeiras em uma transação ou um investimento. Quanto maior for a probabilidade de ocorrência ou quanto mais elevado for o possível prejuízo, maior é o risco observado. 

Esse conceito é bastante comum na realidade das empresas, já que pode acontecer de uma campanha de marketing ou o desenvolvimento de um produto não oferecer o retorno esperado. O risco de prejuízo é, portanto, um risco financeiro. 

No entanto, o termo também se aplica a uma situação pessoal e familiar. Imagine que quando você compra um imóvel, pode ser que uma venda futura ocorra por um preço menor que o valor pago inicialmente. Se isso acontecer, há prejuízo, concretizando o risco financeiro. 

Por que gerenciar os riscos financeiros no cenário pessoal e familiar?  

Considerando o conceito relacionado ao risco financeiro, vale saber que gerenciá-lo é fundamental em todos os cenários — especialmente no contexto pessoal e familiar. Se você não buscar formas de lidar com essa questão, corre o risco de ficar endividado

Afinal, resultados indesejáveis podem fazer com que as contas deixem de fechar, certo? Você e sua família ainda ficam mais distantes da realização de sonhos e da concretização de objetivos. 

Isso inclui desde planos de curto prazo, como fazer uma viagem de férias, até metas de longo prazo, como ter uma aposentadoria tranquila. Por outro lado, gerenciar corretamente os riscos financeiros é uma forma de ter mais tranquilidade e previsibilidade. 

Ao assumir essa postura, você fica menos exposto às perdas que podem acontecer. Assim, será mais fácil se preparar para elas, caso se concretizem. 

Como gerenciar o risco financeiro de forma efetiva? 

Agora que você sabe por que cuidar da gestão do risco financeiro pessoal e familiar, é hora de entender como fazer isso. Para tanto, é preciso cuidar de fatores como planejamento e boa tomada de decisões. 

A seguir, veja quais são os passos essenciais para acertar nesse gerenciamento! 

Elabore um bom planejamento financeiro 

Sua primeira providência nesse sentido deve ser elaborar um planejamento financeiro. Ele é essencial para a identificação e para o controle dos riscos que podem surgir nas suas finanças, então não há como pular essa etapa. 

O ideal é identificar todas as suas despesas, dividindo-as entre gastos fixos e variáveis. Esse hábito ajudará a entender qual é a quantia mínima que deve fazer parte do seu orçamento a cada mês para arcar com os compromissos mínimos. 

Esse é um bom momento para reconhecer e classificar os seus riscos financeiros. Se você tiver gastos muito elevados, por exemplo, há uma chance de você não conseguir pagá-los — especialmente se ocorrer um imprevisto. 

Então é interessante identificar quais são os principais vilões do seu orçamento, além de entender como diminuir as despesas ou parte delas. Dessa forma, será possível traçar um plano para mitigar os riscos. 

Tenha uma reserva de emergência 

Quem não tem dinheiro guardado, normalmente, fica exposto a riscos financeiros maiores. Afinal, um gasto imprevisto ou até a perda de emprego podem afetar todo o seu planejamento financeiro pessoal e familiar. 

Como parte do controle de riscos, portanto, é essencial ter uma reserva de emergência. Ela corresponde a uma quantia provisionada e facilmente acessível que permite a você cobrir despesas urgentes que fogem do seu orçamento. 

É importante notar que esse não deve ser um dinheiro extra para cobrir gastos supérfluos e, sim, para lidar com situações emergenciais. Para ter mais proteção, o ideal é que a sua reserva de emergência seja de, no mínimo, 6 meses do seu custo de vida. 

Porém, vale aumentar a quantia disponível se você quiser diminuir ainda mais a exposição aos riscos causados por imprevistos. Para tanto, inclua esse objetivo em seu planejamento financeiro.  

Mude seus hábitos de consumo 

Para diminuir os riscos financeiros, é preciso repensar a forma como você usa seu dinheiro. Tenha em mente que não adianta ter uma reserva de emergência se você fica exposto ao endividamento por consumir em excesso, concorda? 

Embora não seja preciso deixar de comprar o que você deseja, vale a pena ter um controle de gastos e, ao mesmo tempo, transformar a sua mentalidade financeira. Antes de aproveitar uma promoção, por exemplo, é válido perguntar se você precisa do item e se realmente pode pagar por ele. 

Ao usar o cartão de crédito, a ideia é entendê-lo como um facilitador, e não como uma extensão do orçamento. Também é necessário estabelecer limites de gastos e segui-los ao longo do tempo. 

Com medidas como essas, você evita comprometer mais dinheiro do que pode, diminuindo a exposição ao risco financeiro. Ainda, é essencial ter o apoio de toda a família, que deve adotar bons hábitos para o planejamento funcionar adequadamente. 

Proteja seu patrimônio 

Agora que você sabe como planejar e usar os seus recursos financeiros, é interessante protegê-los. Uma das formas de fazer isso é por meio dos investimentos, já que você terá a chance de fazer o seu dinheiro render e trabalhar para você. 

A reserva de emergência deve ser destinada a um investimento líquido e seguro, para você poder acessá-la quando desejar. Já os seus objetivos de longo prazo podem estar associados a alternativas com maior potencial de retorno, desde que elas sejam compatíveis com a sua tolerância ao risco. 

Ainda, vale considerar a busca por investimentos atrelados à inflação para proteger o seu poder de compra do avanço de preços. No geral, uma boa estratégia no mercado financeiro pode ajudar a equilibrar seus interesses de proteção e avanço do patrimônio. 

Conforme você conferiu, gerenciar o risco financeiro pessoal e familiar é essencial para ter uma vida mais tranquila e realizada. Para tanto, vale usar as dicas apresentadas, tornando-as parte das suas decisões financeiras em busca de melhores resultados. 

Que tal ajudar outras pessoas a lidarem com essa situação? Compartilhe este post nas suas redes sociais e marque seus contatos! 

Que tal aproveitar os diferentes investimentos do mercado com uma instituição sólida e completa? Abra sua conta com a Delta

Fonte: btg


0 comentários

Deixe uma resposta

Avatar placeholder

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *