Quer aprender como fazer uma previdência privada? Essa é uma boa ideia para quem busca um futuro mais tranquilo e confortável, além de uma dependência menor do Governo Federal.

Mas será que esse investimento é sempre um bom negócio? E como aplicar para valorizar ao máximo o seu dinheiro? Essas e outras questões serão tratadas neste post:

  • Tipos de previdência privada
  • Quando a previdência privada vale a pena
  • Onde encontrar opções de previdência privada
  • Como funciona a tributação desse investimento

Ficou interessado? Então, siga a leitura.

Por que fazer uma previdência privada?

Fazer uma previdência privada significa investir em um futuro mais tranquilo, confortável e seguro. Cada vez mais, fica óbvio que depender apenas do Governo Federal não é uma garantia de passar bem os anos finais de sua vida. Nesse sentido, é preciso criar um caminho alternativo.

A previdência privada foi muito falada nos dois últimos anos no Brasil. Tudo por conta da Reforma da Previdência, projeto apresentado pelo Governo Federal junto ao Congresso Nacional.

Durante as discussões, os planos de previdência complementar foram apresentados por muitos especialistas como uma alternativa importante para completar a renda de aposentadoria, especialmente após longos anos de trabalho.

Antes de optar por qualquer uma das possibilidades de previdência privada disponíveis hoje no mercado é preciso analisar bem o momento de vida do cliente e as alternativas disponíveis.

O resgate de um investimento desse tipo no curto prazo tende a não ser a melhor opção, devido ao imposto de renda cobrado. Também é preciso estar atento à taxa de administração cobrada. As taxas mais os impostos cobrados, podem reduzir de forma significativa os ganhos dos clientes.

São muitas as questões a serem observadas, mas aos poucos você verá que um plano de previdência privada não é nenhum bicho-papão e deve estar entre as alternativas consideradas, especialmente quando se fala em aplicações de longo prazo.

O que é previdência privada?

A previdência privada é uma espécie de aposentadoria, mas não relacionada às contribuições realizadas junto ao INSS por trabalhadores de carteira assinada. Apesar disso, a fiscalização da previdência aberta também compete ao Governo Federal, mais precisamente à Superintendência de Seguros Privados (SUSEP).

As opções de previdência privada estão em alta mesmo para quem está longe de parar de trabalhar, como uma alternativa de investimento em renda fixa e variável com rentabilidade que pode ser, inclusive, acima da registrada na caderneta de poupança.

Existem várias formas de investir em previdência privada, e ao longo das próximas linhas vamos entender com maior clareza as diferenças entre as aplicações.

Como funciona a previdência privada

As opções de planos de previdência privada são normalmente destinadas para quem busca uma aplicação de longo prazo. Assim, ao final de um determinado tempo, os recursos acumulados podem ser pagos de única vez (resgate) ou em parcelas mensais (renda).

A previdência privada vale mais a pena no longo prazo, considerando principalmente um caráter diferenciado de tributação.

Na sequência, vamos entender quais são os tipos de previdência privada que podem ser contratados atualmente, em diferentes instituições financeiras.

Tipos de previdência privada

Os tipos de previdência estão divididos em duas modalidades: o Plano Gerador de Benefício livre (PGBL) e a Vida Gerador de Benefício livre (VGBL).

Eles se diferenciam das outras alternativas por unir benefícios de um investimento financeiro com algumas vantagens fiscais asseguradas por lei para aplicações de longo prazo.

Plano Gerador de Benefício Livre (PGBL)

O PGBL é o plano de previdência privada considerado mais adequado para aqueles clientes com renda tributável, que declaram o Imposto de Renda no formulário completo e que tenham rendas elevadas, pois permite a dedução das contribuições até 12% da renda bruta anual. Para ter direto à dedução, é necessário possuir vínculo com a previdência pública (INSS, RPPS, RGM).

Quanto à tributação, Imposto de Renda incide sobre o total de recursos aplicados (principal + rendimentos).

O diferimento de impostos no curto prazo é outra vantagem para o investidor.

Vida Gerador de Benefício Livre (VGBL)

O Vida Gerador de Benefício Livre é uma forma de investimento que não pode ser abatida para os contribuintes que declaram o Imposto de Renda no modelo simplificado, para profissionais autônomos que não possuem recolhimento na fonte ou para quem busca aplicar um percentual maior do que 12% da renda anual na previdência.

Neste tipo de aplicação, o imposto recai sobre os lucros e não sobre o principal aplicado.

Vale a pena investir em previdência privada?

A resposta é: depende.

Comparadas com investimentos de longo prazo, as modalidades de previdência privada tendem a ser mais vantajosas. Outras alternativas do mercado de investimentos podem ser mais atrativas para o curto e médio prazo, pelo critério de rentabilidade e liquidez. Mas, como em todo investimento, é sempre preciso avaliar as condições caso a caso.

De modo geral, o que observamos ao considerar o histórico de desempenho da previdência privada ao longo dos últimos anos são vantagens quando o objetivo do investidor dialoga com o longo prazo.

Quando a meta está em investimentos de curto e médio prazos, pode haver opções mais interessantes.

Além dos motivos já citados acima, ao considerarmos a taxa de administração ela pode perder quando comparada a outros títulos de renda fixa disponíveis no mercado, como o Tesouro Direto e mesmo aos tradicionais CDB’s e as Letras de Crédito Imobiliário e as Letras de Crédito Agrícola. Dado o novo patamar da taxa básica de juros, investimentos mais arrojados em previdência podem superar os produtos acima.

Como fazer uma previdência privada

Para fazer um plano de previdência privada, procure uma instituição financeira de sua confiança que ofereça o produto.

Depois de escolher a aplicação, você deve ficar atento para os percentuais de rentabilidade e das taxas de carregamento, que variam de acordo com a empresa escolhida para oferecer o serviço.

Vantagens

Entre as vantagens para quem optar por planos de previdência privada, estão:

  • Benefício fiscal em caso de declaração pelo formulário completo do Imposto de Renda: como dissemos anteriormente, ao optar por um PGBL o plano permite a dedução das contribuições em até 12% da renda bruta anual.
  • Poupar a longo prazo: sim, muitas vezes o mais difícil no mundo dos investimentos é criar a cultura de economizar e investir e os planos de previdência privada estão entre os que melhor incentivam esse tipo de movimento no interessado.
  • Portabilidade do plano de previdência para outras instituições: sim, caso o cliente tenha se arrependido do banco ou seguradora escolhida para a aplicação ele pode levar esse título para outra sem qualquer custo. Normalmente esse movimento está ligado a diferenças bruscas nas taxas de carregamento e administração, uma vez que o regime tributário não terá alterações.
  • Possibilidade de resgate total ou em valores mensais: ao final do período determinado para a aplicação, a forma de resgate pode ser escolhida pelo cliente, o que é uma vantagem quando comparada a outras modalidades.

Desvantagens

Entre os pontos fracos dos planos de previdência privada estão a falta de liquidez diária e ainda os impostos cobrados, o que reduz a atratividade do investimento no curto prazo.

Diferentemente de outros títulos de renda fixa disponíveis no mercado, os planos de previdência privada não são garantidos pelo Fundo Garantidor de Créditos, o FGC.

O que é taxa de carregamento?

Além da taxa de administração de um plano de previdência, muitas das opções disponíveis hoje no mercado também cobram dos clientes uma taxa de carregamento.

Em palavras simples, a taxa de carregamento cumpre com a função de cobrir os custos que a instituição tem ao administrar o plano.

Ela incide sobre as contribuições feitas pelo cliente.

Por exemplo, se a taxa de carregamento do plano for de 1%, isso significa que a cada R$ 100 investidos, R$ 99 serão destinados ao investimento. O R$ 1 restante servirá para arcar com o custo da aplicação.

O percentual cobrado na taxa de carregamento é um dos principais pontos a serem observados pelos clientes ao contratar um plano de previdência privada.

Uma alta taxa pode tornar o investimento menos vantajoso quando comparado a outras alternativas em renda fixa.

Por isso, é interessante buscar no mercado modalidades mais atrativas e com menos custos.

Rendimento da previdência privada

O rendimento de um plano de previdência privada dependerá sempre da modalidade escolhida.

De modo geral, as alternativas disponíveis no mercado acompanham o valor do CDI, o Certificado de Depósito Interbancário.

O CDI é usado como referência para diversas modalidades de investimento em renda fixa e é conhecida por acompanhar de perto o valor da Selic, a taxa básica de juros da economia brasileira definida pelo Banco Central.

Por isso, pesquisar entre diversos bancos e seguradoras é parte essencial no trabalho de contratar um plano, pois as condições oferecidas podem afetar de forma decisiva os rendimentos.

Regime tributário

Entre os diferenciais dos planos de previdência privada para outras modalidades está a possibilidade de o cliente decidir qual será a forma de cobrança do Imposto de Renda. As alternativas disponíveis são a tabela progressiva ou a tabela regressiva.

Os valores vigentes da tabela progressiva do Imposto de Renda são:

R$/MÊSALÍQUOTA IR
Até 1.903,98Isento
De 1.903,99 até 2.826,657,5%
De 2.826,66 até 3.751,0515%
De 3.751,06 até 4.664,6822,5%
Acima de 4.664,6827,5

Já a tabela regressiva para os planos de previdência privada está fixada em:

Prazo de InvestimentoAlíquota IR
Até 2 anos35%
2 a 4 anos30%
4 a 6 anos25%
6 a 8 anos20%
8 a 10 anos15%
Acima de 10 anos10%

Note que após o prazo de 10 anos, o imposto cobrado no resgate de um plano de previdência no regime regressivo é de 10%, o menor do mercado.

Comparada com outras opções do mercado em renda fixa as taxas estão, em média, acima das cobradas por lá. Por exemplo, os títulos do Tesouro Direto seguem a tabela de Imposto de Renda comum à grande maioria das aplicações em Renda Fixa. As alíquotas no caso do Tesouro Direto são:

Prazo de AplicaçãoAlíquota IR
Até 180 dias22,5%
De 181 a 360 dias20%
De 361 a 720 dias17,5%
Acima de 721 dias15%

As tabelas, somadas às taxas de rentabilidade, são essenciais na análise do investimento para a escolha da modalidade que mais se encaixe aos objetivos do investidor.

Pesquise, analise e tire duas dúvidas antes de tomar qualquer decisão. Isso vai evitar muitas dores de cabeça no futuro.

Conclusão

Como vimos, a previdência privada é uma excelente opção para quem mira o longo prazo.

Mas não se trata de uma alternativa interessante no curto e no médio prazo, quando outros investimentos podem oferecer melhores condições.

Por isso, analise bem o seu caso, calcule a rentabilidade líquida de outros investimentos e então tome uma decisão bem embasada, já que ela terá impacto duradouro em sua vida.

Assim, você tem a segurança de uma aposentadoria tranquila e uma projeção de rendimentos mais elevados, de olho em um futuro mais confortável para toda a família.

Mesmo que você não siga o caminho da previdência privada, lembre-se que economizar recursos periodicamente é indispensável para evitar problemas no futuro.

Depender completamente do Governo Federal não é uma opção recomendada para o investidor.

Que tal aproveitar os diferentes investimentos do mercado com uma instituição sólida e completa? Abra sua conta com a Delta

Fonte: btg


0 comentários

Deixe uma resposta

Avatar placeholder

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *